thumb_fluxo-de-caixa.jpg

A gestão de uma empresa, seja ela independente ou franquia, envolve questões que muitas vezes passam despercebidas pelos empreendedores. Especialmente no que se refere ao aspecto financeiro, com o controle do que entra de capital e tudo que sai com o pagamento de contas, impostos e outras muitas coisas.

Porque administrar um negócio é algo complexo e você, com certeza sabe disso - ou está se preparando para descobrir isso na prática com sua própria empresa.

É por isso que é essencial que empresas e franquias de qualquer área de atuação possuam um controle de fluxo de caixa, também conhecido como cash flow, estabelecido e eficiente.

É o que vai te ajudar a ter uma gestão mais segura e também o que possibilitará que suas decisões sejam mais assertivas. Se você já tem, utilize-o sempre; se não tiver, implemente o quanto antes um sistema de controle como esse para ter certeza de quais devem ser seus próximos passos.

Caso fluxo de caixa ainda seja um tema desconhecido ou um pouco obscuro para você, continue lendo este artigo até o fim. Certamente será útil para você e para a sua empresa!

O que é fluxo de caixa?

De uma forma simples, direta e sucinta, o fluxo de caixa diz respeito ao controle das movimentações financeiras de uma empresa - independente ou franquia. Ou seja, o controle de entradas saídas em um período de tempo pré-determinado - mensalmente, por exemplo.

Fazendo essa projeção, é possível identificar qual o estado da empresa e como anda a saúde financeira do negócio. Em outras palavras, traz a realidade nua e crua para o empresário ou administrador: se está dando lucro, prejuízo e qual é a perspectiva para o futuro levando em consideração o histórico recente.

Porque talvez aquele aumento no faturamento não seja tão relevante assim, talvez não seja motivo para tanta festa e para soltar foguetes. Não se os gastos também tiverem aumentado proporcionalmente e a margem positiva seja mínima.

Pode ser um balde d’água fria, mas é um choque necessário para manter o seu negócio estável e saudável.

Ainda não ficou claro? Vamos exemplificar!

Vamos supor que você tem uma panificadora e, em janeiro de 2017, possui R$ 10 mil em caixa. Para produzir e vender seus produtos, naturalmente haverão vários gastos: matéria prima, mão de obra, fornecedores, luz, água, aluguel, impostos… Aquelas muitas contas que você está acostumado, suas saídas.

Em contrapartida, você também terá entradas. A venda de produtos produzidos por você e aqueles adquiridos com fornecedores, por exemplo, devem ser computadas aqui. Assim como qualquer outra entrada de capital no caixa.

Para que o seu negócio seja viável, suas entradas deverão ser maiores que as saídas. Esse equilíbrio é o que chamamos de fluxo de caixa!

Por que fazer controle de fluxo de caixa?

Sem cerimônias: porque é com isso que você conseguirá identificar como está a situação financeira real da sua empresa e/ou franquia. Tendo conhecimento de quanto capital está entrando e o quanto está sendo gasto é possível saber em que estado está a saúde do seu negócio.

Se estiver saudável, ponto positivo: basta continuar nessa linha de gestão e manter o controle das finanças. Agora, se a sua empresa se mostrar doente… é hora de tomar decisões para reverter esse quadro e tirá-la da UTI.

Eis o grande porquê de fazer um controle do fluxo de caixa: é com ele que você chegará a essas conclusões e poderá agir para combater algum possível entrave. Você consegue ver que existe um problema e mais, consegue ver qual é o problema.

Talvez seus gastos operacionais estejam exagerados, talvez os empréstimos estejam sugando seu orçamento ou um determinado investimento não esteja dando o retorno desejado… São várias possibilidades que poderão ser vistas ali, na prática, em sua planilha.

Além de encontrar eventuais problemas, esse fluxo de caixa também te ajudará e calcular outros vários índices de grande importância para a sua empresa. Questões como lucratividade, retorno sobre o investimento (ROI), possibilidade de novos investimentos, rentabilidade, ponto de equilíbrio, entre outros.

Ao invés de se apegar a dados superficiais e apostar no feeling ou no “achismo”, é muito mais positivo para a sua empresa que você tenha essas informações concretas em mãos antes de tomar qualquer decisão.

Como fazer fluxo de caixa?

O segredo para se fazer um fluxo de caixa eficiente é, primeiramente, a organização. Afinal, como estamos falando de todas as movimentações financeiras da sua empresa, é preciso que você tenha essas informações em mãos. Tudo deve estar guardado e claro, os dados precisam ser precisos.

É preciso ter controle dessas informações para que o fluxo de caixa seja realizado - e realizado com maestria!

Para organizar esses dados de entradas e saídas da sua empresa, vamos utilizar uma planilha específica para fluxo de caixa. Você pode utilizar um modelo já pronto ou criar o seu próprio template - basta ter um conhecimento básico com o Excel ou o Planilhas do Google e saber o que precisa constar na planilha.

Não é difícil e é bem mais simples do que parece, você vai ver. Com organização, tudo fluirá sem maiores problemas.

Podemos começar com as saídas da sua empresa, criando uma página específica só para elas. Você pode saber que sua empresa gasta “X mil” por mês, em média… mas onde? Por isso, faça a discriminação dos gastos para que possa ser possível ter maior controle sobre tudo e também identificar alguns gargalos.

Uma sugestão é ter uma divisão básica como a que apresentaremos a seguir. Mas, claro, cada caso é um caso: seu negócio pode ter outras especificidades e você também pode detalhar mais cada item, se for o caso.

  • Fornecedores
  • Recursos Humanos (salários, FGTS, 13º salário, férias, etc)
  • Impostos
  • Empréstimos
  • Investimentos
  • Recursos Operacionais
  • Marketing

A partir dessa discriminação de despesas, você consegue fazer uma organização geral do que tem de saídas para cada mês. Nessa planilha, os campos básicos para se fazer o fluxo de caixa são valor de cada saídadata de pagamento previstodata de pagamento efetuado e status.

tabela1.jpg

O mesmo que fazemos para as saídas deve ser replicado para as entradas. Ou seja, deve-se colocar na planilha questões como:

  • Entrada com venda de produtos
  • Entrada com venda de serviços
  • Contas em aberto a receber
  • Retorno de investimentos

tabela2.jpg

Nesta planilha também não podemos nos esquecer... dos resultados, do fluxo de caixa em si! Ou seja, o balanço mensal de todas as movimentações realizadas e a relação desse montante com o que a empresa já tinha de saldo.

Para isso, especifique as seguintes questões:

  • Saldo inicial do mês
  • Entradas
  • Saídas
  • Saldo operacional (resultado de “Entradas” - “Saídas”)
  • Saldo final (resultado de “Saldo inicial do mês” - “Saldo operacional”)

Assim, a sua planilha deve ficar basicamente com essa cara:

tabela3.jpg

Fluxo de caixa, um bem necessário

Fazer um controle completo e detalhado como esse, à primeira vista, pode parecer complicado para muitas pessoas. E talvez, para começar com essa planilha de fluxo de caixa, até seja trabalhoso para levantar todas as informações necessárias para se criar um histórico de movimentação da sua empresa.

Esse é, porém, um grande investimento que se faz no seu negócio independente ou franquia. Porque é a partir da implementação desse controle constante e da organização das informações que será possível identificar exatamente a quantas anda a saúde financeira e qual é a perspectiva para os próximos meses.

O controle de fluxo de caixa é um item que deveria ser implementado em todas as empresas, a fim de prevenir vários problemas e ajudar na tomada de decisões mais assertivas.

Se você ainda não implementou um sistema desses em sua empresa, não perca mais tempo! Os retornos positivos são notórios e ajudarão a melhorar o desempenho de vários núcleos do seu negócio!