Decidiu adquirir uma franquia de escola de idiomas? Muito bem, essa é uma ótima opção para se tornar um empreendedor de sucesso. Esse setor permanece em alta no mercado, além de ser altamente lucrativo e seguro para novos empresários.

Mas, para atingir um bom faturamento ao abrir uma franquia, o empresário deve conhecer bem outro termo, os custos.

É essencial que o futuro franqueado saiba fazer uma estimativa coerente de quanto terá de arcar com a empresa para não ser surpreendido.

Pensando nisso, vamos mostrar como calcular os principais custos para investir em franquias de escolas de idiomas.

Como calcular os custos de uma franquia de idiomas?

Calcule os gastos com a estrutura

Antes de firmar contrato, faça a estimativa de todos os gastos iniciais com a estrutura da franquia. Considere os custos operacionais e despesas burocráticas, como abertura da empresa, criação de CNPJ e gastos com eventuais serviços de um contador e de um advogado. Considere também os custos para contratação da equipe de funcionários e os encargos trabalhistas.

Considere a taxa de franquia

Trata-se de uma taxa de adesão ao sistema de franchising, paga pelo franqueado ao firmar o contrato. Essa cobrança se justifica pela entrada do empreendedor à rede que, em contrapartida receberá todo o know-how e auxílio da marca.

A taxa de franquia é um importante fator a ser considerado ao calcular os custos do empreendimento, mas lembre-se de que, como retorno, o franqueado recebe suporte da franqueadora e mais expertise.

Estime as despesas com a instalação

Coloque na conta a estimativa dos gastos com a instalação da unidade de franquia. Para franquias de escolas de idiomas, considere questões como:

  • Qual será o tamanho da escola?
  • Quantos ambientes ela terá?
  • Qual é o custo médio do m2 reformado?
  • Qual será a capacidade da escola?

Depois de encontrar as respostas, é possível estipular os gastos com reforma e mobiliário. Ou seja, essas perguntas servirão como norte para que você determine os gastos com:

  • Mobiliário adequado para salas de aula;
  • Equipamentos e aparelhos;
  • Reforma do local;
  • Material de construção;
  • Projeto arquitetônico;
  • Mão de obra.

Tenha um capital de giro

Para abrir franquias de escolas de idiomas, também é preciso um capital de giro, isto é, uma reserva financeira para garantir a manutenção das atividades da empresa, a renovação do estoque e que possa cobrir eventuais necessidades. Normalmente, é preciso um capital de giro suficiente para no mínimo seis meses. Para tanto, uma boa dica é conseguir investimento para o negócio e, assim, garantir o início das atividades e o bom funcionamento da franquia.

Considere outros custos de franquia

Lembre-se também de calcular as despesas comuns, como aluguel ou compra do ponto comercial, energia, água, telefone e internet. Há ainda o estoque inicial. As redes costumam ajudar o franqueado no primeiro estoque, indicando os materiais, produtos e demais itens necessários, além de sugerir a quantidade e o valor estimado para a compra.

Verifique sobre as outras taxas

É comum a franqueadora cobrar algumas taxas da unidade franqueada. Uma delas é a taxa de publicidade, devido ao suporte nas estratégias e ações de marketing, que ficam a cargo da rede. Outra taxa também comum são os royalties, que consistem em uma licença para o uso do nome e do know-how do franqueador.

Além de considerar todos esses custos, lembre-se de analisar cuidadosamente o contrato de franquia antes de assiná-lo e peça o máximo de esclarecimentos.

E você, tem uma franquia de idiomas? Deixe seu comentário e compartilhe sua experiência no setor!

Guia sobre Franquia de Idiomas